Jornal das Famílias, Janeiro de 1877

O Jornal das Famílias trazia sugestões de moda, assuntos femininos e partituras para piano, como a melodia “Até a Vista”.

Suas páginas eram dedicadas inteiramente à moda para os saraus e teve como um dos seus colaboradores o escrito Machado de Assis.

“Hoje, mais corajosos do que d’antes, (…) resolvemos sob o novo título de Jornal das Famílias, melhorar a nossa publicação. O Jornal das Famílias, pois, é a mesma Revista Popular, d’ora avante mais dedicada aos interesses domésticos da família brasileira. São os seus collaboradores os mesmos distinctos cavalheiros a quem tanto deve a Revista, accrescendo outros a quem tivemos a honra e a fortuna de angariar. Mais do que nunca dobraremos os nossos zêlos na escolha dos artigos que havemos de publicar, preferindo sempre os que mais importarem ao paiz, á economia doméstica, á instrucção moral e recreativa, á hygiene, n’uma palavra, ao recreio e utilidade das famílias.”

Assim o editor francês Baptiste Louis Garnier – criador no Rio de Janeiro, em 1844, em sociedade com seus irmãos na França, da “Garnier Irmãos”, logo depois denominada apenas “B. L. Garnier” ou apenas “Garnier” – apresentava, no primeiro número, o Jornal das Famílias. A publicação sucedia à Revista Popular, também por ele editada, que circulara de 1852 a 1862.

Enquanto esta última tratava de assuntos diversos, como ciência e agricultura, para um público amplo, o alvo da nova publicação eram as mulheres de classe média e alta, público que crescia acompanhando o processo de urbanização do país.

Contos, poesias, romances, culinária, moda, higiene eram os assuntos dominantes. E selecionados de modo a não ferir os valores das famílias da “boa sociedade”: no 16º volume da Revista Popular, ao anunciar a mudança pela primeira vez, os editores tranquilizavam os assinantes, informando que eles passariam a receber a nova publicação, e também às “mães de família [que] não devem recear que ele penetre em seu santuário. Haverá todo o cuidado, como na Revista Popular, para a escolha dos artigos.”1 Impresso em Paris, o que lhe conferia melhor qualidade gráfica, era bem mais ilustrado que a anterior. De Paris também vinha grande parte das matérias, especialmente aquelas sobre moda. Mas seu principal e um dos mais frequentes colaboradores foi o carioca Machado de Assis, que ali publicou de 60 a 70 textos, em sua maioria contos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *